Recado do Economista | Vim do futuro para dizer que…

Tempo de leitura: 2 minutos

Fazer previsões é algo muito difícil, ainda mais quando se trata de futuro.

Vivemos sob incerteza fundamental na economia, nos mercados financeiros e no nosso dia-a-dia.

Se colocarmos uma lupa sobre nosso Brasil, vemos que até mesmo o passado é incerto.

Mas nós economistas insistimos e continuamos com as nossas previsões. E erramos feio, geralmente. Mas vá lá: depois de alguns chutes errados respaldados por modelos complexos, uma hora acertamos. E somos nós que enchemos o peito para dizer: “Eu avisei”.

A turma do Boletim Focus pratica semanalmente esse exercício: os economistas-chefes das principais instituições financeiras do país informam suas previsões para determinadas variáveis macroeconômicas, o Banco Central reúne os dados que mais se parecem com um Bolão de Copa do Mundo e esse relatório é divulgado para a imprensa toda segunda de manhã.

A saber: em janeiro de 2017, a previsão do pessoal era que a Selic terminaria esse ano em 10,25% ao ano. Terminou em 7% ao ano, mínima histórica até então.

Em janeiro de 2018, a previsão era que o ano terminasse 6,75% a.a.. Mal encerramos o primeiro trimestre e o erro de previsão já está virtualmente dado.

Como comentei no primeiro recado com os leitores, hoje vivemos um momento histórico, com a Selic a 6,50% e pedindo para cair mais.

O Banco Central adota cautela na sinalização de mais quedas, dados os riscos domésticos, da bolsa americana e da imprevisível cabeça laranja de Donald Trump.

Mas tanto o Relatório Trimestral de Inflação quanto a atividade econômica (que segue lenta pelas terras tupiniquins) dão indícios para mais uma ou duas baixas da Selic esse ano.

Resta ao investidor individual tirar proveito desse cenário.

A bolsa de valores está cheia de empresas boas pagando dividendos maiores que a Selic.

É benefício em dobro: a renda que cai na sua conta é maior do que a taxa de juros do mercado e o papel ainda pode se valorizar.

Dia 29 atualizei o ranking das 10 empresas que mais pagaram dividendos na bolsa e estou disponibilizando aqui esse material.

Lembrando que esse material não se trata de uma recomendação de compra, mas tão somente o pódio das 10 ações que melhor remuneraram seus investidores nos últimos 12 meses.

Para quem quer algo um pouco mais sofisticado e entender como se avalia uma ação pagadora de dividendos na bolsa, essa aula do André explica da melhor forma possível.

Semana que vem será divulgada o IPCA de março e isso nos trará ainda mais respostas sobre a trajetória dos juros.

A previsão dos engravatados é de uma alta de 0,15% em relação ao mês anterior.

Como fazer previsões é um mal do ofício do economista, meu palpite é que eles estarão errados.

Um abraço e até semana que vem.

Martin é bacharel e mestrando em economia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.